segunda-feira, 16 de outubro de 2017

WRC: Toyota alinha com dois carros na Austrália

A Toyota decidiu que iria alinhar com apenas dois carros na Austrália, o último rali do ano, marcado para os dias 17 e 19 de novembro. Os finlandeses Jari-Matti Latvala e Esapekka Lappi alinharão nessa prova do mundial, deixando Juho Hanninen de fora. Latvala foi o vencedor na Suécia, enquanto que Lappi subiu ao lugar mais alto do pódio na Finlândia. 

A decisão foi comunicada pelo diretor da Toyota Gazoo Racing, Tommi Makkinen.






O teste de Patrick Carpentier

Aos 46 anos de idade, o canadiano Patrick Carpentier está mais a gozar a reforma como comentador televisivo, mas há uns dias, foi experimentar um Formula E ao circuito Ricardo Tormo, em Valência, para experimentar as sensações de conduzir um carro destes, embora inicialmente, achou tudo um pouco confuso...

"No inicio, estava confuso. Era como se fosse um passeio ou algo assim. Eu disse inicialmente que não, então eles simplesmente disseram para fazer o teste e se divertir. Aí disse que eu faria isso. Mas foi confuso no início sobre o que se tratava, depois entendi que era apenas por diversão." afirmou o canadiano numa entrevista à Autosport britânica.

"Não foram muitas voltas, mas valeu a pena", acrescentou. "É muito divertido guiar. Eu amo muito essa série, é o que o mundo tem de fazer hoje em dia - você precisa poupar [energia]. Você não pode simplesmente andar a fundo o tempo todo".

Carpentier - que fez um demonstração em Montreal em julho - afirmou que o sucesso de pilotos mais velhos como Nick Heidfeld e Stephane Sarrazin na Formula E significa que a idade não é um obstáculo insuperável para um eventual regresso, mas descarta essa chance porque ele afirma ter construído "uma vida separada".

"Não tenho certeza de que eu voltarei, deixei tudo para correr", disse Carpentier, que comenta cerca de "80 a 100 corridas por ano" para a televisão canadiana.

"Você precisa de um tal compromisso, significaria quase demitir abdicar [dessa vida] para regressar", concluiu.

Carpentier, de 46 anos, correu na CART entre 1997 e 2004, tendo vencido cinco corridas e sendo terceiro classificado em 2002 e 2004, antes de migrar para a IRL, onde conseguiu dois pódios e o décimo lugar da classificação, antes de ir para a NASCAR, ficando a tempo inteiro até 2008, e depois de modo esporádico até 2015, altura em que também andou no Rallycross, na ronda canadiana do WRX.

domingo, 15 de outubro de 2017

Youtube Motorsport Racing: As corridas do WTCC na China


Depois de dois meses de ausência, o WTCC voltou à ação no novo circuito de Ningbo, na China. Numa jornada dupla onde Tiago Monteiro foi o grande ausente, o grande destaque foi... a chuva. A corrida inaugural, começou atrás do safety car, com Yann Ehrlacher, no seu Lada, a arrancar da pole position, liderando até à décima volta, quando não resistiu ao ataque de Esteban Guerrieri... após a intervenção do safety car motivada pelo incidente entre Rob Huff e Tom Chilton, na volta sete.

A segunda corrida teve uma história curta. A chuva intensa voltou a motivar um arranque atrás do safety car, que nunca chegou a sair até a prova ser cancelada na terceira volta. O argentino Nestor Girolami foi declarado vencedor, na frente de Norbert Michelisz e Thed Björk.

Desta forma, apesar da ausência, Tiago Monteiro só desceu ao segundo lugar do WTCC por troca com Björk por... meio ponto, continuando com todas as hipóteses de se sagrar campeão.

Eis os videos de ambas as corridas.

sábado, 14 de outubro de 2017

Youtube Motorspoert Testing: Koenigssegg, dos zero aos 400

Depois de há umas semanas, a Bugatti ter convidado Juan Pablo Montoya a guiar o Chiron até aos 400 km/hora e travar para zero no menor espaço de tempo possível, a Koeingssegg decidiu responder ao desafio. 

Para isso, no passado dia 1 de outubro foram à Dinamarca, onde um exemplar do Agera RS foi guiado pelo seu piloto de testes, Niklas Lilja, para ver se conseguiam baixar o tempo entre os zero aos 400 km/hora e parar.

O resultado está no video que se pode ver por aqui. 

Formula 1 em Cartoons - GP do Japão (Cire Box)



A corrida japonesa foi totalmente decisiva para Lewis Hamilton, que o colocou a meras duas corridas de ser tetracampeão do mundo de Formula 1, graças aos problemas de Sebastian Vettel, no seu Ferrari.

Eis o fim de semana de Suzuka, visto pelo "Cire Box". 

sexta-feira, 13 de outubro de 2017

Formula 1: Toro Rosso confirma Hartley para Austin

A Toro Rosso confirnou esta tarde que o neozelandês Brendon Hartley correrá pela sua equipa em Austin, palco do GP dos Estados Unidos, no próximo fim de semana. O atual piloto da Porsche, vecedor das 24 horas de Le Mans este ano, ao lado do seu compatriota Earl Bamber e do alemão Timo Bernhard, substituirá Pierre Gasly, que vai disputar a última ronda do campeonato da Super Formula japonesa, que vai acontecer nesse mesmo fim de semana, no circuito de Suzuka.

Hartley, de 27 anos (nasceu a 10 de novembro de 1989), já esteve no programa de desenvolvimento dos jovens pilotos da Red Bull, sem grandes resultados. Depois disso, foi piloto de testes na Mercedes e desde 2014 que está na Porsche, tendo alcançado o título de campeão da WEC em 2015, e claro, a vitória da prova de La Sarthe. 

Para além disso, vai ser o primeiro neozelandês a correr num Formula 1 em 33 anos. A última vez aconteceu no GP do Canadá de 1984, quando Mike Thackwell andou num RAM, em substituição de Jonathan Palmer, acabando por abandonar a prova.

WRC: Hyundai anuncia os pilotos para a Austrália

Thierry Neuville, Andreas Mikkelsen e Hayden Paddon. Estes são os três pilotos que a marca coreana vai usar no último rali da temporada, na Austrália, que vai acontecer entre os dias 17 e 19 de novembro. 

As razões são óbvias: Neuville ainda sonha com o título (apesar da sua desistência na Catalunha ter feito perder o segundo lugar para Ott Tanak), Andreas Mikkelsen foi contratado para fazer os três últimos ralis da temporada e já tem guia de marcha para uma época em full time no próximo ano, e o neozelandês Paddon não poderia falhar a sua prova ‘quase caseira’, uma vez que é especialista neste tipo de terrenos.

Resta Dani Sordo, que basicamente vai fechar a sua temporada no País de Gales, no final do mês, e do qual se fala que poderá estar de saída da Hyundai. A Ford é provavelmente o seu destino, talvez para substituir ou Ott Tanak, que é cobiçado pela Toyota, ou Sebastien Ogier, também cobiçado, mas pela Citroen. 

Contudo, a FIA está a planear abrir as inscrições de carros oficiais para quatro por cada equipa, o que daria, no atual panorama, para 16 máquinas WRC...

Liberdade e muito dinheiro

É tudo especulação neste momento, mas... a McLaren ainda deseja Fernando Alonso. Numa altura em que ele vai correr em Austin com o mesmo capacete que usou nas 500 Milhas de Indianapolis, a equipa de Woking decidiu lhe dar um contrato bem milionário. Segundo fala hoje a imprensa espanhola, foi lhe proposto um contrato de 40 milhões de dólares por temporada (três temporadas no máximo), com a flexibilidade de correr em Daytona, Indianápoilis e nas 24 Horas de Le Mans, pois ele pretende alcançar a "Tripla Coroa" do Automobilismo.

E tudo isto numa altura em que a McLaren vai usar os motores Renault, depois do fracasso da associação com o motor Honda. 

Sobre isso, Alonso não abriu muito os detalhes, mas contou hoje numa sessão de perguntas e respostas na sua conta no Instagram que está perto de uma decisão.

"Digamos que eu poderia ter já tomado uma decisão, mas ainda há alguns detalhes que precisamos descobrir", começou por dizer.

"Como eu disse muitas vezes, o meu objetivo é ser o melhor piloto do mundo, para ser o piloto mais completo do mundo, e para isso você precisa ganhar em diferentes competições, em diferentes carros, em diferentes momentos. A Tripla Coroa ainda é uma grande prioridade para mim, então estou trabalhando nisso", continuou.

"Eu acho que vai ser uma temporada muito emocionante de 2018 para os fãs do automobilismo. Espero que você ame isso e espero que você avalie o esforço extra", concluiu.

Ao contrário do que pode acontecer este ano, em 2018, as 500 Milhas de Indianápolis poderão estar fora de hipótese, pois não só coincidem com o GP do Mónaco, como também ele acha que os motores Renault terão melhor chance do que os atuais motores Honda. Logo, a melhor chance será as 24 horas de Le Mans, onde se falou há algumas semanas de que estaria a falar com a Toyota para arranjar um lugar na sua equipa, e as 24 horas de Daytona, onde também haveria uma abertura por parte da McLaren em correr na competição, pois esta acontece no final de janeiro, sem testes ou competições no caminho.

Uma coisa é certa: Fernando Alonso, apesar dos seus 36 anos, ainda pretende mostrar a todos que está longe de querer pendurar o capacete.

quinta-feira, 12 de outubro de 2017

Noticias: Saiu o calendário da IndyCar

O calendário da Indy Car Series para 2018 tam algumas novidades em relação ao ano passado. Watkins Glen sai do calendário e o Autódromo Hermanos Rodriguez poderia regressar, estando prevista a corrida em agosto. Outro regresso ao calendário é o circuito de Portland, que volta ao calendário depois de uma ausência de dez anos, quando correu na CART. A corrida vai acontecer no lugar de Watkins Glen, no último fim de semana de agosto.

"A força e consistência do calendário da Verizon IndyCar 2018 é algo de todos os quais deveríamos nos orgulhar", começou por dizer Mark Miles, CEO da Hulman & Company, dono da IndyCar Series. "Nós também estamos ansiosos para continuar a tendência ascendente da série através da introdução dos kits aero universal, que os testes mostraram ser um produto excitante".

Ao todo, continuarao a haver 17 corridas no calendário de 2018, sem grandes alterações em relação à corrida de abertura, que é em St. Petersburg, na Florida, e terminará em Sonoma. Em relação a Portland, será mais uma corrida em pista, onde fez parte do calendário nos anos 80 e 90, sendo um dos mais interessantes do calendário.

"A IndyCar não poderia estar mais animada para competir novamente na frente de uma das nossas bases de fãs mais fortes", continuou Miles. "O Portland International Raceway produziu emocionantes corridas em toda a história do carro de Indy - o final de 1997 ainda é o recorde para o final mais próximo em um curso de estrada ou de rua - e o regresso não poderia ser melhor dado o novo olhar que os nossos carros terão em 2018. Esperamos que este seja um show que os fãs não vão querer perder ".

O presidente da câmara de Portland, Ted Wheeler, que assistiu o Indianapolis 500 na sua juventude, afirma estar ansioso para ver o automobilismo de volta para sua cidade.

"A IndyCar traz emoção para uma cidade e para competir espectadores", começou por afirmar Wheeler. "O regresso da IndyCar para Portland nos dará uma ótima exposição internacional, uma grande receita, novos empregos e uma experiência emocionante para os fãs do automobilismo".

Eis o calendário para 2018:

11 de março - São Petersburgo, Florida
7 de abril - Phoenix Raceway
15 de abril - Long Beach
22 de abril - Barber Motorsports Park
12 de maio - Indianapolis Motor Speedway (circuito de estrada)
27 de maio - Indianápolis 500
2-3 de junho - Belle Isle Park
9 de junho - Texas Motor Speedway
24 de junho - Road America
8 de julho - Iowa Speedway
15 de julho - Toronto (Canadá)
29 de julho - Mid-Ohio Sports Car Course
19 de agosto - Pocono Raceway
25 de agosto - Gateway Motorsports Park
2 de setembro - Portland International Raceway
16 de setembro - Sonoma Raceway

Formula E: Revelado o circuito de Santiago do Chile

A Formula E vai pela primeira vez a Santiago do Chile a 3 de fevereiro de 2018 e revelou hoje o seu circuito citadino. A pista vai ser desenhada nas ruas do centro da cidade capital chilena, e esta foi apresentada esta manhã numa demonstração de carros elétricos liderada pelo ex-piloto Eliseo Salazar, que também é um dos organizadores desta corrida.

"É uma honra juntar-se à presidente Bachelet [Michelle Bachelet, presidente do Chile] para a primeira aparição da Fórmula E nas ruas de Santiago", disse Alberto Longo, vice-diretor da Formula E. "A América do Sul está mergulhada em história e tradição automobilística - e a Fórmula E fará sua própria história no Chile para os próximos anos, começando a próxima temporada", acrescentou.

A pista, com 2462 metros de extensão, está desenhado ao longo da Avenida de Santa Maria, passando pela Praça Baquedano e pelo Parque Florestal, perto do Museu de Arte Contemporânea da cidade.

"Esta corrida permitirá que o povo chileno conheça os benefícios dos veículos elétricos", começou por dizer Andrés Rebolledo, o ministro da energia. "Nossa projeção diz que, se gerarmemos as condições necessárias de regulamentação, logística e mercado, em 2050, 40% dos veículos no Chile serão elétricos", acrescentou.

Noticias: Gasly não correrá em Austin

O francês Pierre Gasly não correrá em Austin, dentro de dez dias, para poder tentar a sua sorte na SuperFormula, o campeonato japonês de automobilismo. O francês, que correu nas duas últimas corridas pela Toro Rosso, é atualmente candidato a vencer o campeonato, estando a meio ponto do primeiro lugar, ocupado atualmente pelo local Hiroaki Ishiura (33,5 contra 33 do francês).

A ronda de Suzuka da competição será dupla e valerá oito pontos para o vencedor de cada uma das corridas.

Com Daniil Kvyat de volta ao seu carro, até ao resto da temporada, resta saber quem ficará com o lugar vago na segunda equipa do universo Red Bull. Fala-se muito de um piloto americano (Alex Rossi, vencedor das 500 Milhas de Indianápolis em 2016), ou até do regresso da Sebastien Buemi, mas o anuncio do novo piloto não será ainda hoje.

A substituição de toda uma dupla de pilotos numa equipa de Formula 1 não acontece desde o GP de Espanha de 1994, quando na Lotus, os pilotos Johnny Herbert e Philippe Adams foram substituídos pelo italiano Alessandro Zanardi e pelo francês Eric Bernard

Noticias: Kubica já testou em Silverstone


O polaco Robert Kubica andou ontem a testar num chassis de 2014 (o FW36) no circuito de Silverstone. O piloto de 32 anos andou nas várias versões do circuito britânico num teste que correu sem problemas de maior, embora a equipa tenha decidido guardar para si as informações sobre o número de voltas que fez, bem como os tempos marcados.

Com este teste, apesar da escassez de divulgação, foi apenas o preludio de novo teste, desta vez no Hungaroring, numa espécie de "shoot-out" com o escocês Paul di Resta, na próxima terça-feira. A equipa de Grove afirma que não tem pressa para escolher o seu piloto para a próxima temporada, embora diga que no final do ano anunciará quem ficará com o lugar.

Para Kubica, este foi o seu quarto teste com um carro de Formula 1, tendo já feito três com o carro da Renault, uma delas com o chassis de 2017 na Hungria, num lugar que acabou por ficar nas mãos de Carlos Sainz Jr. Em relação a candidatos, para além de Kubica e Di Resta, ainda tem Felipe Massa e Pascal Wehrlein.

quarta-feira, 11 de outubro de 2017

A India vai construir novas pistas

A India não aparece no calendário da Formula 1 desde 2014, derrotada pela burocracia local. Contudo, isso não quer dizer que o automobilismo por lá esteja parado. O presidente da Federação Automobilistica Indiana, Akbar Ebrahim, anunciou esta semana que serão construídas três pistas no país. Uma será entre Mumbai e Pune, a ocidente; outra será construída no estado de Tamil Nadu, a sul, e a terceira será Hyderabad, no centro.

"Não consigo divulgar os detalhes neste momento, porque eles estão em conversações connosco e agora tem que ser confidencial", disse à Motorsport.com.

"Estamos cientes de que eles estão interessados em colocar pistas nessas áreas. Até anunciarem, não divulgaremos detalhes. Mas com certeza, estamos em discussão com responsáveis dessas três áreas. Quando tiver tudo concluído e começarem a trabalhar, estou certo de que também o anunciarão", acrescentou.

Questionado sobre se as pistas teriam nível internacional, ele disse: "Tudo depende da quantidade de investimento que estão preparados para colocar e de que nível eles querem que a pista seja. Se o objetivo for mais ambicioso, vai ser necessária mais infra-estrutura. Não se trata apenas do comprimento e largura de um circuito. Eles formaram planos concretos para completar esses projetos. Eles estão definitivamente interessados ", acrescentou.

A Formula 1 esteve em Buddh, nos arredores de Nova Delhi, entre 2011 e 2013, em corridas todas ganhas por Sebastian Vettel, a bordo do seu Red Bull.

terça-feira, 10 de outubro de 2017

WTCC: Monteiro não corre, Tarquini substitui-o

Tiago Monteiro poderá não voltar mais às pistas este ano, algumas semanas depois de ter batido fortemente em Barcelona durante uma sessão de testes com o seu Honda Civic, no inicio de setembro. O piloto português não vai participar na ronda de Ningbo do WTCC por não ter recuperado das suas lesões na zona do pescoço, e assim sendo, será o veterano italiano Gabriele Tarquini que ficará com o seu lugar durante a ausência do piloto português.

"Estou incrivelmente desapontado por não conseguir correr na China", começou por dizer o piloto de 41 anos. "Como equipa, trabalhamos incrivelmente até chegar ao topo do campeonato e isso é um grande revés para todos. Infelizmente, o corpo humano é o que é, e apesar dos esforços extraordinários da minha equipe médica, eu só preciso de mais tempo.", continuou.

"Meu foco agora muda para estar recuperado a tempo [da corrida de] Motegi no final deste mês e retomar ali o meu desafio ao título

"Devo agradecer muito a Gabriele por entrar. Ele é um grande amigo e foi um companheiro de equipe fantástico durante muitos anos no WTCC, então não há mais ninguém que eu prefira no carro para apoiar meu impulso de título", concluiu.

Monteiro está neste momento a recuperar das suas lesões, que lhe afetaram a sua capacidade de visão. Ele espera recuperar totalmente, mas em termos de campeonato, as suas chances poderão ficar algo comprometidas, pois tem neste momento 12 pontos à frente do sueco Thed Bjork, da Volvo (200 contra 188), e 29 à frente de Norbert Mischelisz, que tem 171 pontos.  

Um esboço do futuro

A Liberty Media poderá mostrar no dia 31 de outubro os seus planos para a Formula 1 pós-2020. Segundo fala o site alemão Auto Motor und Sport, Ross Brawn e Chase Carey, em coordenação com a FIA, decidiram que, no campo dos motores, chegou à conclusão de que a sua simplificação poderá ser um caminho para baixar os custos. Mantendo os V6 Turbo, deixando de lado os V8 e os V10 atmosféricos, aposta na eliminação de um dos sistemas de recuperação de energia - à partida, o MGU-H - para não só baixar os custos, como também atrair novos construtores à competição, como a Porsche, que já disse estar interessada em vir para a Formula 1 a partir dessa data, e possivelmente juntar-se a um clube que tem Renault, Honda, Mercedes e Ferrari.

Para além disso, poderá também fazer com que algumas marcas pensem seriamente na ideia de construir os seus próprios motores, como a McLaren, que já produz carros de estrada.

Para além disso, ambas as partes vão mostrar um esboço no campo do teto máximo em termos de orçamentos das equipas. Essa apresentação poderá acontecer a 7 de novembro, numa reunião com o Grupo de Estratégia. 

Em relação ao primeiro tópico, tudo indica que será recebido de modo positivo pelas equipas, mas quanto ao segundo, certamente haverá muitas discussões. A mentalidade "Club Piraña" da maior parte das equipas ajuda muito nisso, especialmente quando o aumento de custos está a fazer fugir muitos dos interessados em ter uma equipa na Formula 1. E para quem não sabe, há duas equipas à venda (Force India e Toro Rosso)... e não aparecem compradores!

Resta saber como será a reação do Grupo de Estratégia sobre estas alterações, pois se isto tudo terá de entrar em vigor dentro de quatro anos, as negociações terão de começar no ano que vêm, e no máximo, terminar em 2019, para entrar em vigor nos dois anos seguintes.